quinta-feira, 19 de maio de 2016

LIGA ACADÊMICA EM BIOMECÂNICA

Enquanto representante dos estudantes dentro da SBB eu venho pensando quais são as melhores estratégias que visam aumentar o entendimento e o envolvimento com a biomecânica desde a graduação. Eu, particularmente, acabei me envolvendo e me apaixonando pela biomecânica durante a graduação, pois me envolvi no Grupo de Pesquisa em Neuromecânica Aplicada, onde pude aprender muito com colegas do grupo e principalmente com o orientador do grupo. Entretanto, venho percebendo que algumas universidades, além dos grupos de pesquisa, têm Ligas Acadêmicas.
Eu não tive a oportunidade de fazer parte de uma Liga Acadêmica, mas sei que elas acabam sendo muito importantes para o envolvimento dos estudantes com a área. Dentro das ligas acadêmicas conheci algumas que são focadas na Biomecânica, o que me deixou bem feliz e curioso para conhecer mais sobre.
Então conversei com um colega estudante da Sociedade Brasileira de Biomecânica que faz parte da Liga Acadêmica de Biomecânica da Universidade Estadual de Goiás. Aproveitei a oportunidade e pedi para ele contar um pouco para nós aqui no Blog da SBB como funciona a liga e como se dá a interação com o Laboratório de Biomecânica da unviersidade local.
O estudante Guilherme Augusto Santos é aluno do curso de Fisioterapia da Unviersidade Estadual de Goiás e membro estudante da Sociedade Brasileira de Biomecânica. Além disso, ele é Conselheiro da Liga Acadêmica de Biomecânica da sua universidade, aluno de iniciação cientifica orientado pela Profª Dra. Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga, sendo bolsista do PIBIC/UEG, é aluno de extensão da Profª Dra. Flávia Martins Gervásio e membro da equipe de pesquisadores do Laboratório de Movimento Dr. Cláudio A. Borges, também da UEG. E juntamente com a Prof. Dra. Flávia Martins Gervásio, ele escreveu um pouco sobre a liga e o laboratório de biomecânica da UEG. Abaixo segue o texto na íntegra.



“Com a finalidade de reunir um maior grupo formado por alunos, professores e outros colaboradores para estudar a fundo a Marcha Humana. Foi que surgiu A Liga Acadêmica de Marcha, fundada pelo curso de Fisioterapia no dia 24 de agosto de 2007 na Universidade Estadual de Goiás, sendo a primeira Liga Acadêmica no estado de Goiás fundada fora do curso de medicina da Universidade Federal de Goiás e considerado o maior grupo de estudos de marcha humana no Brasil. Uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, apartidária, não religiosa, de duração ilimitada e com caráter multiprofissional.

O corpo diretor formado por presidente, vice-presidente, secretários, tesoureiros, conselheiros e coordenadores com finalidade de promover desenvolvimento didático de pesquisa e atenção à comunidade, além de propiciar aos seus alunos um conhecimento maior sobre marcha e áreas de atuação, complementando a vivência teórico-prática dos alunos da graduação nas disciplinas que abordarão esse tema, como Anatomia, Cinesiologia, Cinesioterapia, Bases e Métodos de Avaliação em Fisioterapia, disciplinas de cunho clínico como, por exemplo, Ortopedia, Reumatologia, Neurologia, além de disciplinas de outras áreas do conhecimento;
        A liga realiza atividades nos três pilares da universidade (ensino, pesquisa e extensão), organizando e auxiliando promoções de caráter científico e social com eventos na comunidade de avaliações e orientações educativas, visando o aprimoramento na formação acadêmica prática, além de estimular a elaboração, apresentação e discussão de relatos de casos clínicos.
        Os alunos da liga vivenciam desde uma avaliação básica de cunho clínico a o que há de mais avançando em análise do movimento humano. No Laboratório do Movimento Humano Dr. Cláudio A. Borges (LAMOV) da Universidade Estadual de Goiás – ESEFFEGO na Coordenação da Professora Dra. Flávia Martins Gervásio (coordenadora da LABI-UEG), os membros da liga vivenciam a prática e olhar da pesquisa nas avaliações com padrão ouro. Com isso cresce o olhar crítico e avança o interesse cientifico.















        Entre os eventos sociais e de extensão a liga participa junto com outras ligas acadêmicas de saúde do ELA (Encontro de Ligas Acadêmicas da Universidade Federal de Goiás), onde por três etapas se mantem no primeiro lugar de classificação. Um evento onde os membros possuem a oportunidade de colocar em pratica as avaliações de marcha, postura e podometria em média de 100 pessoas.
        Pelo avanço dos estudos da liga as atividades promovidas pelo LAMOV propiciaram para que em 2015 a Universidade autorizasse por unanimidade a alteração da nomenclatura e do estatuto que rege as normas e objetivos da liga, assim a Liga Acadêmica de Marcha – LM passou a ser nomeada por Liga Acadêmica de Biomecânica – LABI. Com isso aumenta os campos de estudos para os membros, maior envolvimento das outras áreas como as engenharias dentre outras.”

Eu achei muito legal a ideia da liga e da forma como ela interage entre a prática clíncia e a biomecânica laboratorial. Fiquei muito empolgado em incentivar a formação de novas ligas em diferentes universidades.

E você o que achou? Já conhecia? Participa ou já participou de alguma liga? Comente aí para que possamos conversar mais sobre o assunto.


Abraços,
Emmanuel Rocha